Maio 2018

22/05

19:30

CLUBE ARSENAL DE LEITURA | TEMA: POÉTICAS EMERGENTES DE RESISTÊNCIA - Arsenal - Sesc Arsenal
  • Se é real o clichê de que palavras gastas tornam-se traiçoeiras a medida que seu uso corrente as afasta da dimensão dos sentidos que podem produzir, evitá-las, lançam-nas a um desuso se não mais, tão prejudicial. Resistência, nesse sentido é uma palavra-risco. Resistência enquanto capacidade de persistir, de lançar-se em experimentação na busca de uma voz autônoma, direta, sem mediação. Investigar o cenário literário que se alinha a essa proposta, diz respeito a vasculhar na polifonia produtiva, obras que se destacam pela audácia de existir, pela potência de enfrentamento, pela coragem de assumir-se em crise e reinventarem-se. 
    Assim, no possível da criação, desbravar outros territórios em que diversos campos se encontram e hibridizam. Nesse aspecto, em âmbito nacional, nomes como Aline Bei trazem à tona a prática produtiva de uma autora atriz que investiga a página como um espaço, assim como é o palco. A narrativa com maestria na oralidade dá às personagens vozes verossímeis, singulares e seguras. O Peso do Pássaro Morto, sua obra de estreia, recolhe essas características e leva ao leitor experiência de acompanhar a duração da jornada da protagonista, cujo ponto inicial é seus 08 anos de idade. Nesse trecho, a narração da trajetória corresponde ao e o repertório linguístico próprio desse período. À medida que a personagem envelhece, é possível perceber sua maturação na maneira como descreve seu caminho. | Mediação: Thereza Helena e Luiz Renato

22/05

19:30

CINESESC MAIO SESC RONDONÓPOLIS | (R)EXISTÊNCIAS - Rondonopolis - Sesc Rondonópolis
  •  

    TERRAS

    (Direção:Maya Werneck Da-Rin, Documentário, 2008, Brasil, 75 min)

    Sinopse: Na fronteira tríplice entre Brasil, Colômbia e Peru, as cidades gêmeas Letícia e Tabatinga formam uma ilha urbana cercada pela floresta amazônica. As delimitações territoriais são muitas vezes encobertas pela densa vegetação e as fronteiras se confundem nos rostos de seus moradores. "Terras" acompanha o ritmo desse lugar de encontro e passagem.

    03/05 | 19h30 | Teatro | Gratuito | Livre

     

    SESSÃO DOCUMENTÁRIOS

    O VALE DOS QUILOMBOS

    (Chico Guariba, Brasil, Documentário, 2010, 40min.)

    No interior do Vale do Ribeira vivem várias comunidades de povos tradicionais. São indígenas, caiçaras, quilombolas e pequenos agricultores tradicionais. O documentário conta um pouco da luta dos quilombolas na região, uma história que começou há mais de trezentos anos.

    É O QUE EU PENSO, É O QUE EU VEJO

    (Arto Cavalcanti, Brasil, Documentário, 2017, 25min.)

    Três localidades e situações urbanas são apresentadas. Moradores, lideranças comunitárias e técnicos comprometidos com as lutas por direitos revelam histórias de vida e de moradia, violações de direitos, ameaças de remoção e precariedades (muitas vezes não reconhecidas como tal) e trilham caminhos de resistência.

    NÃO REPARA A BAGUNÇA

    (Luri Barcelos / Ciro Barros, Brasil, Documentário, 2017, 18min.)

    O curta-metragem investiga as quatro faces do décit habitacional na cidade de São Paulo. Ilustrado por lutadores e lutadoras, personagens que vivem na rua, em ocupações, cortiços e favelas. Recheado de estatísticas sobre o problema da falta de moradia no país.

    08/05 | 19h30 | Teatro | Gratuito | Livre

     

    TERRA VERMELHA

    (Direção: Marco Bechis, Documentário, 2008, 84 min)

    Um grupo de índios vive em uma fazenda trabalhando como escravos e ganham alguns trocados para posarem como atração turística. Eles decidem reivindicar suas terras e de seus ancestrais, começando um grande conito com os fazendeiros.

    10/05 | 19h30 | Teatro | Gratuito | 14 anos

     

    SESSÃO DOCUMENTÁRIOS

    OUTRO OLHAR – CONVIVENDO COM A DIFERENÇA

    (Renata Sette, Brasil, Documentário, 2015, 34min.)

    O documentário conta a história de Charbel Gabriel, um senhor de 60 anos que interage diariamente com a família e a comunidade, e tem síndrome de Down, em que a síndrome não limita seu convívio com a comunidade, sua família e amigos.

    USP 7%

    (Daniel Mello / Bruno Bocchini, Documentário, 2015, 15min.)

    Quatro relatos da luta contra o racismo estrutural, passando por diferentes gerações e pontos de vista. A mobilização em favor da implantação das cotas raciais em uma das mais importantes universidades do país.

    COMO SOMOS

    (direção: Naira Soares e Mirella de Souza, Documentário, 2015, 30min)

    Como Somos é um documentário que conta a história de doze famílias com algo especial em comum: a convivência com um familiar autista e/ou com síndrome de down. O documentário parte do pressuposto de que instituições públicas e privadas dizem não estar preparadas para receber essas pessoas, mas o questionamento que fica é: e as famílias? Será que foram preparadas?

     

    SESSÃO DOCUMENTÁRIOS

    22/05 | 19h30 | Teatro | Gratuito | Livre

     

    SESSÃO DEBATE COM CONVIDADOS - FILME: LIMPAM COM FOGO

    (Direção: Conrado Ferrato, Rafael Crespo, César Vieira, Documentário, 2017, 84min)

    Documentário sobre a epidemia de incêndios em favelas na cidade de São Paulo e a relação com a especulação imobiliária. Entre análises de especialistas e depoimentos marcantes das vítimas, o filme investiga os reais motivos por trás da seletividade do fogo, e explora a relação entre empresas do setor imobiliário e os vereadores que participaram da CPI dos Incêndios em Favelas na Câmara dos Vereadores de São Paulo.

    24/05 | 19h30 | Teatro | Gratuito | 14 anos

     

    O CÉU SOBRE OS OMBROS

    (Direção: Sérgio Borges, Documentário, 2010, 71 min)

    Acompanha alguns dias da vida de três pessoas. Everlyn é uma transexual que vive entre a prostituição e os cursos de sexualidade que ministra como professora, enquanto que Murari é um devoto da religião Hare Krishna e líder de torcida organizada do Atlético Mineiro.

    Já Lwei é um africano descendente de portugueses que escreve vários livros ao mesmo tempo, sem nunca conseguir terminá-los.

    29/05 | 19h30 | Teatro | Gratuito | 16 anos